04/04/2023 às 18:49

Somos resistência dentro da existência de ser

30
3min de leitura

Qual imagem você quer passar?

Alguém pode pensar que em pleno século XXI, vivendo nos tempos em que mais se discute sobre a diversidade e o respeito, de que não precisaríamos tratar de estereótipos e dos preconceitos que envolvem alguns deles. Ora, numa sociedade, especialmente dentro dos ambientes mais urbanos e imersos nas tecnologias e nas redes sociais, tais questões já não estariam vencidas? Cada homem e cada mulher já não poderia ser quem é, do seu jeito, sem sofrer as chagas dos preconceitos e dos olhares estranhos dos outros indivíduos? 

Facilmente se reconhece que não. Basta enxergar ao seu redor, ler o noticiário ou até mesmo dar uma olhada nos comentários de fotos de algum influenciador, que não está incluso nos padrões sociais normativo. Há décadas, séculos que a sociedade “aponta o dedo” e define alguém, suas características e até mesmo seu comportamento, por simplesmente pertencer de alguma forma a algum grupo estigmatizado, seja um grupo racial, de sexualidade, de gênero, de classe ou até mesmo por sua forma física ou o fato de ter tatuagens e/ou piercings.


Será que a arte, em especial a fotografia, pode ter seu papel em romper com tais tabus e preconceitos referentes a estereótipos, frequentemente utilizados como muletas mentais e sociais por algumas pessoas para se fecharem em seus invólucros, muitas vezes recheados de ignorância e prejulgamentos? Tem-se a ideia geral, na fotografia de retratos, que se deve buscar a perfeição do fotografado – seja pelo ângulo certo, pela iluminação, pelo ambiente, pelo figurino ou pelas poses e ações que o fotógrafo sugere. Mas será que tal perfeição existe, ou é possível? Será que fotografias “perfeitas” realmente podem versar sobre a individualidade e as características de cada sujeito, ou apenas contribuem para a manutenção da estereotipia atrasada?

É possível encontrar de forma rápida, em sites de buscas, diversos projetos fotográficos que utilizam da fotografia como instrumento de registro com o objetivo de fomentar a quebra de estereótipos. As provocações levantadas por esses projetos de forma subversiva, auxiliam na diversidade e no empoderamento de tribos, quando se tem um olhar afetivo, normalizando corpos oprimidos, julgados e criticados, buscando retratar muito mais que a aparência física. As individualidades de cada fotografado são postas como prioridade para que a interpretação da audiência ultrapasse os estereótipos e auxilie na desconstrução de preconceitos.

Considerada por muitos uma pessoa que vive à frente do seu tempo, aprendi a ser livre. Julgada constantemente pela quantidade de piercings e tatuagens, aprendi a questionar. Me fortaleci, quando me uni aos meus. Me tornei mulher quando reconheci dentro de mim a coragem de outras mulheres.

Agora, com o apoio de Cema, decidimos tirar da gaveta o projeto fotográfico Feminexistência acreditando que cada ser feminino tem dentro de si a potência para mudar seu próprio mundo.

É muito mais do que se despir de roupas, é se despir de todas as amarras que nos fizeram acreditar que tínhamos. É sobre ser resistência dentro da existência de ser. Não é sobre corpos, é sobre ser livre. Nós, eu e Cema, buscamos essa liberdade, cada uma da sua maneira, do seu jeito.

Sobre o projeto serão realizados 3 ensaios por mês, com valor colaborativo, podendo ser realizado na própria residência ou em nosso estúdio.

Para participar é só solicitar pelo direct do Instagram @senhoritasfotografia o questionário que preparamos com carinho para conhecermos um pouco mais sobre você! Até lá! 


04 Abr 2023

Somos resistência dentro da existência de ser

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

corpo real corpos reais esteriotipos feminismo projeto fotografico retratos femininos